“Antigomobilismo”: o que é isso?

Por Claudio Jorge (colaborador)

Certo dia eu e um amigo estávamos em um barzinho aqui em Feira de Santana quando, de repente, passa um belo Fusca 1969 verde, todo original e, então, meu amigo comenta:

• Amigo: – Olha que Fusquinha lindo!
• Eu: – É sim, é de um amigo nosso do Clube da Ferrugem!
• Amigo: – Ah, sim! O clube de carro velho que você anda!
• Eu: – ‘Êpa’! Carro velho, não! Carro antigo, clássico! E esse verde ainda é “PLACA PRETA”!
• Amigo: – Placa preta?!? O que é isso?

 

E foi assim que comecei a explicar a ele o que é ser um “Antigomobilista”. Sabe aquele veículo antigo que lhe traz lembranças boas da sua infância, tempos que você passeava com seus familiares no “chiqueirinho” do Fusca ou, ainda, aquelas viagens longas a bordo da Kombi do seu tio?

Pois é, o veiculo antigo tem sempre uma história para contar! O antigomobilismo é isso! É preservar a história ou, até mesmo, resgatar uma história perdida, uma lembrança boa! Sempre que nós vamos a algum evento ou apenas estamos passeando com nossos carros antigos aparece alguém para comentar:

“- Me lembrei de meu pai, viajamos muito em um opala!”; Isso nos enche de orgulho, é uma honra poder preservar a história, quase sempre a nossa própria história!

A maioria dos proprietários de veículos antigos tem alguma ligação emocional com aquele carro, pode ser herança de família ou até um presente especial dado por alguém mais especial ainda! Nos acostumamos a dizer que o antigomobilismo é uma “paixão que dura gerações”!

“- Mas, e a tal da ´Placa Preta’?”, meu amigo me interrompe.

“- Calma, amigo! Agora vou explicar.” respondi a ele.

A “Placa Preta” é um atestado de originalidade. Ela prova que o carro passou por uma vistoria rigorosa que permite a ele possuir um atestado de originalidade que garante que o veiculo possuir, no mínimo, 80% (oitenta pode cento) de originalidade.

“- E ainda encontra peças para esses carros ve…ops, antigos?” Indagou-me, mais uma vez!

Sim! Existe um comércio forte de peças e de veículos antigos, graças à internet esse comércio ficou bem mais fácil. Claro que algumas coisas têm seus preços superinflacionados, por exemplo, peças de acabamento, cromados, etc., mas existem boas lojas e até alguns colecionadores que vendem e/ou trocam peças dos carros com preços justos.

Na minha opinião, o prazer em ter uma peça rara que fez parte da história, não tem preço! Eu ainda gosto de restaurar veículos, pois considero que tem um ‘prazer a mais’ ao se investir tempo, dinheiro e amor. O resultado é um veículo que passa a fazer parte da sua história, da sua vida!

Meu amigo, mais uma vez, me interrompe:

“- Hummm, rapaz, vamos mudar de assunto porque, pelo visto, você vai ficar falando sobre isso o dia todo! rsrsrs”

Sereno, eu respondi: “- Verdade!”

Nesse dia eu consegui conquistar mais um admirador dos veículos antigos e, quem sabe, um futuro ‘Antigomobilista’.

Claudio Jorge é empresário e Vice-Presidente do Clube da Ferrugem de Feira de Santana/Bahia

Veja também...

Veja mais
Carregar mais