Motos: queda nas vendas

Motos: queda nas vendas

43
0
COMPARTILHAR

A crise econômica ainda afeta a indústria de motocicletas no Brasil. A produção de motos no país recuou, registrando queda de 13,5% em agosto de 2017, de acordo com os números da Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares (Abraciclo). No mês, foram produzidas mais de 80 mil unidades, bem menor em relação ao mês de agosto do ano passado, com 92,7 mil motos.

O acumulado de 2017 registra queda de 9% no volume de produção de motocicletas no Brasil. De janeiro a agosto de 2017, foram produzidas 575.524 unidades, contra 632.490 nos oito primeiros meses de 2016.

A onda de exportações também chegou. No setor duas rodas, as fabricantes mandaram 7.239 unidades para outros países no mês passado, com aumento de volume de 60,1% a mais em comparação ao mês de agosto de 2016.

De acordo com estudo realizado pela Abraciclo, a produção de motos deve ficar na faixa das  910 mil unidades. Com base nesta projeção, o resultado será 2,5% maior do que o de 2016, em relação ao volume de 887.653 motos produzidas no ano passado.

A japonesa Suzuki perde em vendas para a chinesa Shineray no Brasil
A japonesa Suzuki perde em vendas para a chinesa Shineray no Brasil

No Brasil, a Honda é a grande líder, com vendas de 449.407 unidades, representando 78,30% de participação no mercado de duas rodas. A rival japonesa Yamaha está em segundo lugar com 76.431 unidades vendidas no acumulado de janeiro a agosto de 2017. Acumula 13,32% de participação no Brasil e, surpreendentemente, é seguida pela chinesa Shineray, que está à frente da Suzuki (5.010 unidades) com participação de 1,89% de market share, comercializando 10.523 motos, mais do que o dobro da Suzuki no Brasil.

Veja os números do Top 5 (janeiro/agosto 2017)

1. Honda CG 160 – 154.882

2. Honda CG 125 – 19.783

3. Yamaha YBR 125 – 15.530

4. Honda CB 250 F Twister – 15.422

5. Yahama YS 150 Fazer – 7.061

Fonte: Fenabrave emplacamentos

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA