Civic bebe na fonte da esportividade para não ser “carro do tiozão”

Por Roberto Nunes

A briga pelo espaço na garagem do brasileiro sempre foi grande. As marcas japonesa Toyota e Honda são as preferidas no Brasil. A vantagem é da Toyota e, agora, deve se distanciar ainda mais com o renovado Corolla e a inédita versão Hybrid. Mas a Honda tem o Civic 2020 com preços entre R$ 100 mil e R$ 135 mil, e uma série de novidades para fincar as quatro rodas na garagem do brasileiro.

O pacote de equipamentos no Civic 2020 é para lá de generoso e as versões de entrada dispõem de acabamento em material sintético no console central e laterais da porta, bancos de tecido e assentos de couro em preto ou cinza, além de sistema de monitoramento de pressão dos pneus, acendimento automático dos faróis e central multimídia com tela de 7 polegadas e conexão com Android Auto e Apple CarPlay.

O Civic 2020 estacionou na #GaragemdoNunes para avaliação do @autosemotostv na configuração EXL, a intermediária e que é naturalmente a mais vendida – há ainda a esportiva Touring com motor turbinado – no Brasil. O Civic é um carro com visual mais esportivo entre os sedãs médios no país. Não é à toa que a Toyota seguiu a tendência ditada pela Honda ao trazer linhas mais esportivas para um segmento considerado “careta” e de senhores de meia idade que buscavam o conforto e queriam chegar com requinte em festão das famílias mais tradicionais da classe média brasileira.

Agora, o dono de um sedã médio quer esportividade e modernidade para surpreender com respeito na porta das baladas de boates e nas festinha de família.

A Honda investiu forte e oferece o Civic EXL com sensor de chuva, saídas do ar-condicionado para os bancos traseiros, partida por botão e chave presencial. Se a versão topo da gama Touring vem com carregador de celular por indução, assento elétrico com ajuste lombar e sistema de som premium de 452 watts, a configuração intermediária do sedã da Honda ganhou melhorias no visual frontal com para-choque redesenhado, friso cromado e novas rodas. O interior tem novos revestimentos e apliques metalizados.

Além do Civic EXL, a Honda tem as opções Sport 2.0 CVT, EX 2.0 CVT, EXL 2.0 CVT e a Touring 1.5 Turbo CVT. Não há mais a versão manual. Esta decisão é uma tendência de mercado e acaba de vez com o ditado que brasileiro gosta de passar marchas no carro. Na verdade, o brasileiro tem gostado e preferido a opção dos carros com câmbio automático, e isso é notado nas revendas pelo Brasil afora. Com perfil acima de 35 anos, o público dos sedãs médios é moderno e hoje mais jovem, ao ser comparado com o comprador de sedã no começo dos anos 2000.

Mesmo com maior perfil esportivo, o Civic é um carro ainda família e a Honda até tentou elevar o modelo para o patamar de sedã mais moderno. A engenharia da Honda encerrou assim a oferta do câmbio manual de 6 marchas e equipa o sedã com a transmissão automática do tipo CVT, que simula 7 marchas, acoplada ao motor 2.0 Flex aspirado, de 155 cavalos a 6.300 rpm e 19,5 kgfm de torque a 4.800 rpm. Para quem deseja um pegada mais esportiva, a marca tem o Civic Touring com motor 1.5 turbo a gasolina, de 173 cavalos a 5.500 rpm e 22,4 kgfm entre 1.700 e 5.500 rpm.

A Honda entrega também um bom pacote de segurança para motorista e demais passageiros. É sempre bom perceber que há evolução nos carros construídos para o mercado nacional. O Civic vem equipado com airbags frontais, laterais e de cortina, controle de tração e estabilidade VSA (Vehicle Stability Assist), sistema de partida em aclive (HSA) e sistema de vetorização de torque baseado em frenagem Agile Handling Assist (AHA). Há ainda para auxliar o motorista sistema de luz de frenagem de emergência (pisca de forma intermitente em frenagens emergenciais), além de freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem (EBD), luzes de rodagem diurna (DRL) e lanternas traseiras em LED.

A pegada do Civic é agradável e o motorista tem tudo em suas mãos por meio do volante multifuncional. Há câmera de ré e um multimídia bom para você usar os seus aplicativos espelhados direto do seu smartphone na tela do sistema. Mas é bom também fazer um test drive na novidade do mercado: Toyota Corolla com motor de sistema híbrido. Além do Corolla, o segmento está com inúmeras opções, como o Chevrolet Cruze, Nissan Sentra e o Volkswagen Jetta.

O Civic tem 4,637 m de comprimento, 1,799 m de largura, 1,433 m de altura e 2,700 m de entre eixos. Seu porta-malas é de 525 litros. O tom da carroceria fica por conta das opções das cores Branco Tafetá, Prata Platinum, Branco Estelar e Preto Cristal. Há também cores Azul Cósmico e Cinza Barium. A garantia é de três anos de fábrica.

 

 

 

Veja também...

Veja mais
Carregar mais